O Efeito Lula Em Recursos Humanos

“Eu não acredito que o Brasil possa ser governado só pela razão estatística; este País tem de ser governado com o coração”


“Esta frase foi pronunciada pelo presidente eleito Lula, em discurso feito em Recife, no dia 22 de novembro e fartamente divulgado pela imprensa.

Lendo os pronunciamentos do Lula desde que ele foi escolhido como sucessor do atual presidente FHC, fico imaginando que influências essas manifestações terão nas práticas e políticas de Recursos Humanos das organizações – e, sobretudo, na disposição dos empresários em geral, em investir nessa área – explicitamente comportamental.

Quem está familiarizado com o mundo corporativo, sabe que qualquer projeto ou programa comportamental numa empresa só acontece se a iniciativa partir dos seus principais dirigentes – ou se, pelo menos, contar com a aprovação explícita deles. Inclusive, em muitas empresas, o setor de Recursos Humanos não tem autonomia (e às vezes nem verba…) para, sozinho, decidir pela implantação de um projeto dessa natureza.

Recorrendo à analogia, podemos afirmar que o Brasil – como todo País – é uma “grande empresa”. Por isso, não posso resistir à tentação de lançar uma pergunta ao leitor: se essa “grande empresa” chamada Brasil pode e vai ser gerenciada com o coração – como diz o seu futuro presidente – por que também não o podem as empresas de verdade? Penso que, diante do pronunciamento do Lula, é válido concluir que podem, sim – desde que seus respectivos presidentes pensem da mesma forma. Faz sentido?

Algo me diz que o novo presidente vai cobrar – e muito – mais humanização na relação capital / trabalho. O que, se ocorrer, afetará positiva e profundamente a natureza, a forma e o foco dos programas de Treinamento e Desenvolvimento de Lideranças nas organizações – sem falarmos daqueles de contexto especificamente social, ligados à saúde, segurança e qualidade de vida do pessoal.

Isso significará que, se decodificarmos adequadamente as palavras do Lula, posicionando-as no contexto empresarial, teremos que rever paradigmas e questões básicas ligadas a clima organizacional, estilos de lideranças, relacionamento chefe / colaborador, comunicações internas, padrões de reconhecimento e justiça – enfim, quase todos os programas de RH.

Mas, o que seria liderar com o coração?

Liderar com o coração é o que, há anos, os gestores humanistas e holísticos, os líderes da Nova Era e os “gurus” (arghhhh!) da Administração – como Deepak Chopra, Tom Peters, Stephen Covey e outros – vêm pregando aos quatro ventos. No entanto, apesar do elevado preço das suas palestras e da presença maciça de altos executivos nas mesmas, os discursos desses bem intencionados mestres não têm surtido muito efeito prático. Mas, agora, há um dado novo e fundamental: quem está definindo novos paradigmas é o Presidente da “grande empresa” Brasil, em pessoa!

Liderar com o coração é ter consciência de que toda e qualquer empresa é conduzida por pessoas – independente da quantidade e da qualidade das máquinas e equipamentos que tenha. E, em conseqüência, é saber que pessoas e máquinas são gerenciadas de formas completamente diferentes.

Liderar com o coração é respeitar a individualidade de cada colaborador. Quer gostemos ou não, as pessoas são diferentes uma das outras e é preciso acreditar que o talento da liderança reside justamente em harmonizar e obter o máximo dessas diferenças.

Liderar com o coração é também respeitar a sensibilidade e a auto-estima de cada membro da equipe. E, em função disso, entender que não é preciso gritar para ser ouvido, nem ameaçar para ser obedecido; entender que não é preciso esmurrar a mesa para mostrar autoridade; que não é necessário manter a cara fechada para parecer “sério e competente” e que trocar algumas palavrinhas descontraídas e informais, tomar cafezinho ou almoçar com a equipe não diminui em nada a autoridade do chefe – pelo contrário: gera aproximação, estima e admiração por ele.

Liderar com o coração é entender e aceitar que, de alguma forma, em algum sentido e em maior ou menor proporção – todas as pessoas são limitadas, vulneráveis e imperfeitas – exatamente como você – e, com essa compreensão, mostrar-se solidário, generoso e equilibrado quando essas imperfeições humanas eventualmente aparecerem no trabalho.

Liderar com o coração é priorizar a felicidade, o bem estar, a realização, a qualidade de vida e de trabalho das pessoas – porque os resultados virão inevitavelmente como conseqüência. Lucro obtido a custo de sacrifícios, perdas e lágrimas não merece esse nome. Todo lucro deve somar – para todos – e não subtrair – de alguns. É compreender que as pessoas que trabalham deixam suas famílias para produzir bens e serviços para a empresa, utilizando quase sempre até mais da metade do seu dia – diariamente, durante anos – computando-se o tempo que vai do despertar até o momento em que o profissional retorna ao lar.

Liderar com o coração é, tendo compreendido isso, contribuir para que o local de trabalho se torne gratificante, agradável e receptivo. Liderar com o coração é saber que por traz da menor ação, do menor gesto ou de qualquer decisão dentro de uma empresa, há pessoas envolvidas. Pessoas com emoções, sentimentos, inseguranças e necessidades que devem ser consideradas e respeitadas. O que o novo presidente Lula deixou claro quando disse que vai levar seus ministros para conhecerem a dura e triste realidade do Nordeste e das regiões carentes do País, para “na hora em que um ministro quiser tomar uma medida com base em estatísticas, ele vai saber que por traz daquele número tem uma mulher, um homem, um velho”. A essência da frase é tão clara que não preciso explicar sua analogia com o contexto organizacional, particularmente com o item demissões.

É possível que alguns incrédulos, pessimistas ou racionais de carteirinha, pensem e agourem: “é… mas ninguém sabe se isto vai dar certo…”Concordo. Teremos que esperar quatro anos para saber. Mas que mal há em tentarmos um novo caminho, quando esse caminho tem um coração? “Olhe cada caminho com cuidado e atenção. Tente-o quantas vezes julgar necessário. Então, faça apenas a si mesmo uma pergunta: esse caminho possui um coração? Em caso afirmativo, o caminho é bom. Caso contrário, ele não tem a menor importância”. A frase é do Carlos Castañeda.

Para encerrar: este não é um artigo político-partidário. Foi escrito exclusivamente com o coração – para outros corações.”

Floriano Serra
Psicólogo, com Pós-graduação em Propaganda e Marketing (ESPM), e Especialização em Análise Transacional (ALAT).

Fonte: http://www.rhportal.com.br/artigos/wmview.php?idc_cad=8r4_sp_ly (Janeiro/2007)


Particularmente adorei esta matéria, além de concordar plenamente com o conteúdo, por isto estou postando, acreditando que um dia tudo o que está contido nela seja aplicado sem hipocrisia pelas empresas. Sim, digo hipocrisia pois a gestão de pessoas chegou como uma avalanche de informações aos ouvidos dos dirigentes e logo o termo tornou-se modismo e hoje é corriqueiro andarmos pelas grandes empresas vendo banners e mais banners dizendo o quão importantes são seus colaboradores, porém, na prática isto é só uma maneira vã de se tentar motivar equipes – temporariamente.

Logicamente não estou generalizando. Mas é impossível pensar que o capitalismo e a ganância pela lucratividade máxima sejam minimizados de uma hora pra outra para dar espaço à preocupação com desenvolvimento alheio, afinal, toda mudança é lenta. Porém, vejo que o comportamento humano está mudando rapidamente – se pararmos para pensar o quanto estamos nos tornando mais auto-suficientes e independentes dos outros (vê-se em prateleiras de supermercados todos os produtos de porções individuais…), logo chegaremos a conclusão de que também possuímos menos tolerância às ordens e àquela máxima: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Pois é, a liderança precisa mudar antes que seja mudada.

Espero que eu consiga ser prova viva desta mudança.

Um abraço e bom feriado!

🙂

Anúncios

0 Responses to “O Efeito Lula Em Recursos Humanos”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




maio 2009
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Atualizações Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Del.icio.us


%d blogueiros gostam disto: