Você tem Inteligência Emocional?

int_emocional

Inteligência emocional é um conjunto específico de aptidões utilizadas no processamento e conhecimento das informações relacionadas à emoção. Na história da psicologia moderna o termo “inteligência emocional” expressa um estágio na evolução do pensamento humano: a capacidade de sentir, entender, controlar e modificar o estado emocional próprio ou de outra pessoa de forma organizada.

Na década de 30, o psicometrista Robert Thorndike, mencionou a possibilidade de que as pessoas pudessem ter “inteligência social” – uma habilidade de perceber estados internos, motivações e comportamentos de si próprio e dos outros e de agir de acordo com essa percepção. Em 1983, o professor Howard Gardner, da Universidade Harvard, em linhas gerais, traçou as sete formas de inteligência, no livro Estruturas da mente: Gardner propôs uma “inteligência intrapessoal” semelhante à atual conceituação de inteligência emocional.

Conceitos:

Os cientistas Peter Salovey e John D. Mayer dividiram a inteligência emocional em quatro domínios:

1-percepção das emoções – inclui habilidades envolvidas na identificação de sentimentos por estímulos: através da voz ou expressão facial, por exemplo, a pessoa que sobressai nessa habilidade percebe a variação e mudança no estado emocional de outra; a segunda ramificação da inteligência emocional;

2-uso das emoções – implica a capacidade de empregar as informações emocionais para facilitar o pensamento e o raciocínio;

3-entender emoções, é a habilidade de captar variações emocionais nem sempre evidentes;

4-controle (e transformação) da emoção, o aspecto mais habitualmente identificado da inteligência emocional – aptidão para lidar com esse sentimento.


Testes

Cientistas têm se empenhado em mensurar essas habilidades. Foram validados testes como o MEIS – Multi-factor Emotional Intelligence Scale (Escala Multifatorial de Inteligência Emocional, 1998) e o MSCEIT – Mayer-Salovery-Caruso Emotional Intelligence Test (Teste de Inteligência Emocional de Mayer-Salovey-Caruso, 2002). [1].

Os testes tradicionais medem a capacidade cognitiva da pessoa. Já os de inteligência emocional baseada na habilidade, são vulneráveis à interpretações subjetivas do comportamento. O maior problema enfrentado quando se trata de medição de inteligência emocional é como avaliar as respostas “emocionalmente mais inteligentes”: uma pessoa pode resolver situações que envolvem componentes emocionais de diversas maneiras.


Sentimento e razão

A relação entre pensamento e emoção é discutida há pelo menos dois milênios. Os filósofos, os estóicos da Grécia e Roma antigas, acreditavam que a emoção podia ser demasiado imprevisível para ter alguma serventia para o pensamento racional. A expressão dos sentimentos estava fortemente associada à natureza feminina e era representativa de aspectos frágeis e inferiores da humanidade: o estereótipo relativo ao gênero, como o de mulheres são “mais emotivas”, persiste.

Muitas noções foram derrubadas durante o desenvolvimento da psicologia moderna. Uma nova maneira de pensar as emoções e o pensamento surgiu quando os psicólogos articularam definições mais amplas de inteligência e também novas perspectivas sobre a relação entre sentimento e pensamento.

Na década de 90, o termo “inteligência emocional”, tornou-se tema de vários livros (e até best-seller) e de uma infinidade de discussões em programas de TV, escolas e empresas. O interesse da mídia foi despertado pelo livro Inteligência emocional, de Daniel Goleman, redator de ciência do New York Times, em 1995. No mesmo ano, na capa da edição de outubro, a revista Time pergunta ao leitor: “Qual é o seu QE?”

A publicação de “A curva em sino”[2] lançou controvérsias em torno do QI. Segundo os autores, a tendência era que a sociedade moderna se estratificasse pela definição de inteligência, não pelo poder aquisitivo ou por classes. O que causou maior polêmica e indignação de inúmeros setores da sociedade foi a afirmação dos autores de que, no que diz respeito à inteligência haveria diferenças entre as etnias.[3]


Referências

1. ↑ “Emoção – a outra inteligência”, por Daisy Grewal e Peter Salovey

2. ↑ The bell curve, livro publicado em 1994 pelo psicólogo e professor de Harvard Richard Hermstein e pelo cientista político Charles Murray

3. ↑ Revista Mente &Cérebro, nº 179, páginas 34 a 43 (2007)


Faça os testes!😉

http://www.caiuaficha.com.br/testeqe/teste.html

http://www.checkup.med.br/colesterol/teste_im


Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig%C3%AAncia_emocional

1 Response to “Você tem Inteligência Emocional?”


  1. 1 CARLOS ADRIANO MAGALHAES novembro 9, 2011 às 2:34 pm

    NO MEU PONTO DE VISTA SIM, POR ISSO QUE EXISTE PSICÓLOGOS, APESAR QUE JÁ PUBLICARAM VÁRIOS ASSUNTOS A RESPEITO.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




maio 2009
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Atualizações Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Del.icio.us

Flickr

Itacaré

Mais fotos

%d blogueiros gostam disto: