Bibliografia sobre Cultura Organizacional e Cultura Brasileira

Oi pessoal!

Vou postar aqui para vocês a bibliografia que eu tenho sobre a relação entre a Cultura Organizacional no contexto da Cultura Brasileira – que usei para a minha monografia de pós graduação – pois sei que não é muito simples encontrar.

Mais para a frente estou pensando em postá-la aqui no blog, mas por enquanto vamos por partes!

Também têm vários livros muito bons, que tratam sobre o contexto empresarial, acredito que valha a pena dar uma olhada.

Abraços!

*

AIDAR, M. M.; BRISOLA, A B.; MOTTA, F. C. P. & WOOD JR., T. (1995). “Cultura organizacional brasileira”, in: WOOD JR., T. (coord.). Mudança organizacional. São Paulo, Atlas, (p. 32-56).

ALBERT, S. et al. Organizational identity and identification: charting new waters and building new bridges. Academy of Management Review, v. 25, n. 1, p. 13-17, 2000.

ALBERT, S. The definition and metadefinition of identity. In: WHETTEN, D. S.; GODFREY, P. C. Identity in Organizations, Building Theory through Conversations. London: Sage, 1998.

ALTHUSSER, L. Sobre a reprodução. Petrópolis: Vozes, 1999.

AMIN, A. Post-Fordism: A Reader. Oxford: Blackwell Publishers, 1994.

ÂNGELIS, J. de O despertar do espírito. Psicografia por Divaldo Pereira Franco. 4. ed. Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2000.

ASFORTH, B.; MAEL, F. Organizational identity and strategy as a context for the individual. Advances in Strategic Management, v. 13, p.19-63, 1996.

BERBEROGLU, B. Labor and Capital in the Age of Globalization. Lanham: Rowman&littefield Publishers, 2002.

BERGAMINI, C. W. e CODA, R. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação, liderança. São Paulo: Pioneira, 1997.

BERGAMINI, C. W. Motivação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

BOURDIEU, P. (1989). O poder simbólico. Lisboa: DIFEL. Carlos, S. A. (1998). O processo grupal. In M. G. C. JACQUES, M. N. STREY, N. M. G. BERNARDES, P. A. GUARESCHI, S. A.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. 3ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

CALDAS, M. P.; TONELLI, M. J. O homem-camaleão e modismos gerenciais: uma discussão sociopsicanalítica do comportamento modal nas organizações. In: PRESTES MOTTA, F. C.; FREITAS, M. E. (Orgs.) Vida Psíquica e Organização. São Paulo: FGV, 2000.

CAPRA, F. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1982.

CARLEIAL, L. M. F. Trabalho em tempos de novas tecnologias: velhos e novos desafios. Proposta, [S.l.: s.n.], n. 72, p. 14-20, mar./maio 1997.

CARLOS & T. M. G. FONSECA (Orgs.), Psicologia social contemporânea (pp. 199206). Petrópolis: Vozes.

CARVALHO, Maria do Socorro M. V.; TONET, Helena C., Qualidade na administração Pública. Rio de Janeiro, 1994, v. 28, n. 2, Abr./Jun. p.41).

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTRO, N. A. Reestruturação produtiva e relações industriais: desafios e interpretações à luz do debate norte-americano atual. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, n.31, p.111-122, jun. 1996

CHANLAT, J.-F.(Org). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1992. (p. 111-126).

CHANLAT, J.-F.(Org). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996. (p. 83-124)

CHAUÍ, M. Conformismo e resistência. 4.ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CODO, W.; SAMPAIO, J.; HITOMI, A. Indivíduo, trabalho e sofrimento. Petrópolis: Vozes, 1998.

COHEN, D. Gestão à brasileira. Exame, p. 200-207, 19 abr. 2000.

CORRÊA, M. L. A modernização na indústria têxtil e os condicionantes da formação profissional. Trabalho e Educação, Belo Horizonte: Núcleo de Estudos sobre Trabalho e Educação da Faculdade de Educação da UFMG, n.3, p.161- 184, jan./jul. 1998a.

CROZIER, M. (1994). L’entreprise à l’écoute: apprendre lemanagement post-industriel . Paris, Èditions du Seuil, 217 p.

CUCHE, D. La notion de culture dans les sciences sociales. Paris: La Decouverte, 1996.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Conferências Brasileiras: identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho. São Paulo: Fundap: EAESP/FGV, 1999.

DUKERICH, J. et al. The dark side of organizational identification. In: WHETTEN, D. S.; GODFREY, P. C. Identity in Organizations, Building Theory through Conversations. London: Sage, 1998.

DUTTON, J.; DUKERICH, J. Keeping an eye on the mirror: image and identity in organizational adaptation. Academy of Management Journal, v. 34, n. 3, p. 517-554, 1991.

ENRIQUEZ, E. A organização em análise. Petrópolis: Vozes, 1997.

FARIA, J. Comissões de fábrica: poder e trabalho nas unidades produtivas. Curitiba: Criar, 1987.

FARIA, J. Poder e relações de poder nas organizações. Curitiba: UFPR, 2002a.

FARIA, J. Economia política do poder. Curitiba: Juruá, v. 2, p. 48, 2004.

FOUCAULT, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão (5 a ed.). Petrópolis: Vozes.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2000.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: o doce controle no clube dos raros. In: MOTTA, F. C.; CALDAS, M. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GASPARINI, G. (1996). “Tempo e trabalho no ocidente”, in CHANLAT, J.-F.(org.). O

GÓES, M. C. R. (2000). A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Caderno CEDES, 50, 925.

HARNECKER, M. Tornar possível o impossível: à esquerda no limiar do século XXI. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

HOFSTEDE, G. (1980). Motivation, leadership and organization: Do american theories apply abroad? Organizational Dynamics, summer, (p. 42-63).

HOFSTEDE, G. (1987). Relativité culturelle des pratiques et théories de l’organisation. Revue Française de Gestion. Sep./oct. (p.10-21).

HOFSTEDE, G.; NEUIJEN, B.; OHAYV, D. & SANDERS, J. (1990). Measuring organizational cultures: a qualitative and quantitative study across twenty cases. Administrative Science Quarterly. Juin. N.º 35.

HUMPRHREYS, M.; BROWN, A. Narratives of organizational identity and identification: a case study of hegemony and resistance. Organizational Studies, v. 23, n. 3, p. 421-447, 2002.

JAQUES, E. (1952). The changing culture of a factory. New York, Dryden Press.

JOLY, A. (1992). “Alteridade: ser executivo no exterior”, in: CHANLAT, J.-F.(org.). O

KAMDEM, E. (1996). “Tempo e trabalho na África”, in: CHANLAT, J.-F.(org.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo, Atlas, (p. 127-147).

KERVELEGAN, J. R. B. de A tomada de decisão e seus elementos constitutivos. Integração: ensino, pesquisa, extensão. São Paulo: Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, ano VI, n. 23, p. 293-297, nov. 2000.

KRAUSZ, Rosa R., Compartilhando o poder nas organizações, São Paulo: Nobel, 1991.

LANE, S. T. M. (1985). O processo grupal. In S. T. M. LANE & W. CODO (Orgs.), Psicologia social: o homem em movimento (2 a ed., pp. 7898). São Paulo: Brasiliense.

LARANGEIRA, S. M. G. Reestruturação produtiva nos anos 90: aspectos do contexto internacional no setor de serviços. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, n. 33, p.35-47, fev. 1997.

LEITE, M. P. Modernização tecnológica e relações de trabalho. In: FERRETTI, C. J.; ZIBAS, D. M. L.; MADEIRA, F. R.; FRANCO, M. L. P. B. (Orgs.) Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1994a.

_____. Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de gestão da mão-de-obra. In: OLIVEIRA, C. A. B.; MATTOSO, J. E. L.; SIQUEIRA NETO, J. F.; POCHMANN, M.; OLIVEIRA, M. A. (Orgs.) O mundo do trabalho: crise e mudança no final do século. São Paulo: Página Aberta, 1994b.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999

MACHADO, H. V.; HERNANDES, C. A. Alteridade, expatriação e trabalho: implicações para a gestão internacional. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. 27., 2003, Atibaia. Anais. Atibaia: ANPAD, 2003.

MAEL, F.; ASFORTH, B. Alumni and their alma mater: a partial test of the reformulated model of organizational identification. Journal of Organizational Behavior, v. 13, p. 103-123, 1992.

MASLOW, A. H. Maslow no gerenciamento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.

MAYO, E. The Human Problems of an Industrial Civilization. New York: The Viking Press, 1960.

MEZAN, R. Freud, pensador da cultura. Brasília: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 1985.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOTTA, F. C. P; FREITAS, M. E. (Orgs.). Vida psíquica e organização. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

MOTTA, F. C.; CALDAS, M. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

NETO, R, A. Reflexão sobre administração de recursos humanos e sua contribuição para a melhoria da qualidade de vida. Integração: ensino, pesquisa, extensão. São Paulo: Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, ano V, n. 16, p. 31-32, fev. 1999.

NETO, R. A., BISI, M. L. C. e GONÇALVES, L. C. O impacto da inovação tecnológica na gestão de recursos humanos. Integração: ensino, pesquisa, extensão. São Paulo: Centro de Pesquisa da Universidade São Judas Tadeu, ano VI, n. 23, p. 245-248, nov. 2000.

NEVES, W. M. J. (1997). As formas de significação como mediação da consciência: um estudo sobre o movimento da consciência de um grupo de professores. Tese de doutorado não-publicada. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

NUERNBERG, A. H. (1999). Investigando a significação de lugares sociais de professora e alunos no contexto de sala de aula. Dissertação de mestrado não-publicada. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

OLIVEIRA, S. L. de Sociologia das organizações: uma análise do homem e das empresas no ambiente competitivo. São Paulo: Pioneira, 1999.

ORRÚ, M.; BIGGART, N. W.; HAMILTON, G. G. Organizational isomorphism in East Asia. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. (Orgs.). The institutionalism in organizational analysis. Chicago: The university of Chicago Press, 1991.

ORTIZ, R. (1983). A procura de uma sociologia da prática. In R. ORTIZ (Org.), Pierre Bourdieu: Sociologia (pp. 736). São Paulo: Ática.

PAGÈS, M., BONETTI, M., GAULEJAC, V., & DESCENDRE, D. (1987). O poder das organizações: a dominação das multinacionais sobre os indivíduos. São Paulo: Atlas.

PEPPARD, J.; FITZGERALD, D. The transfer of culturally-grounded techniques: the case of business re-engineering in Germany. Cranfield: The Cranfield School of Management Working Papers Series, n.4, 1997.

PEREIRA, M. I. e SANTOS, S. A. dos Modelo de gestão: uma análise conceitual. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

PRATES, M.; BARROS, B. T. O estilo brasileiro de administrar: sumário de um modelo de ação cultural brasileiro com base na gestão empresarial. In: MOTTA, F. C.; CALDAS, M. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

PRATT, M. G. To be or not to be: central questions in organizational identification. In: WHETTEN, D. A.; GODFREY, P. C. Identity in Organizations, Building Theory through Conversations. London: Sage, 1998.

PRATT, M. G. The Good, the bad and the ambivalent, managing identification among Amway Distributors. Administrative Science Quarterly, v. 45, n. 3, p. 456-493, 2000.

  1. RAINBIRD, H. El trabajador por cuenta propia: ¿pequeño empresario o asalariado encubierto? In: POLLERT, A. (Coord.) ¿Adios a la flexibilidad? Madri: MTSS, 1994.

RHINOW, G. Inovando e competindo por meio da gestão de pessoas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo: FGV, v. 41, n. 1, p. 2-7, jan.-mar. 2001.

RODRIGUES, S. B. & DUARTE, R.G. (1999). “Diversidade cultural no ambiente dos negócios internacionais”, in: VIEIRA, M. M. F. & OLIVEIRA, L.M.B. Administração contemporânea. São Paulo, Atlas, (p.40-58).

RODRIGUES, S. B. O chefinho, o telefone e o bode: autoritarismo e mudança cultural no setor de telecomunicações. Tese (Professor Titular). Belo Horizonte: Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, 1991.

_____.;COLLINSON, D. L. ‘Havin fun’? Humour as resistance in Brazil. Organization studies, [S.l.: s.n.], v. 16, n.5, p.739-768, 1995.

ROMÃO, C. Empresa socialmente humanizada. Acadêmica – Revista Virtual de Administração e Negócios, [S.l.], jul./set. 2001. Disponível em: < http://www.academica.cjb.net/ >. Acesso em: 24 out. 2001.

RONDEAU, A. A gestão dos conflitos nas organizações. In: CHANLAT, J.F. (Org.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996. p. 205-225. v. III.

RUANO-BORBALAN, J. C. L’identité, l’individu, le groupe, la société. Paris: Éditions Sciences Humaines, 1998.

RUAS, R.; ANTUNES, E. D. D. Gestão do trabalho, qualidade total e comprometimento no cenário da reestruturação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo: SEADE, v.11, n.1, p.42-53, 1997

SALERNO, M. Modelo japonês, trabalho brasileiro. In: HIRATA, H. S. (Org.). Sobre o modelo japonês: automatização, novas formas de organização e de relações de trabalho.  Petrópolis: Vozes, 1995.

SALES, T. Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, n.25, p.26-37, jun. 1994.

SANTOS, J. L. O que é cultura. 16.ed. São Paulo: Brasiliense, 1998.

SARAIVA, L. A. S. Discursos e práticas de gestão em uma empresa do setor têxtil de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração). Belo Horizonte: Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, 2001a.

_____. Consenso ou consentimento? A pseudodemocracia na organização contemporânea. In: PIMENTA, S. M.; CORRÊA, M. L. (Orgs.). Gestão, trabalho e cidadania: novas articulações. Belo Horizonte: Autêntica, 2001b.

SARSUR, A. M. Empregabilidade e empresabilidade? Um estudo junto a organizações e profissionais em Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Administração). Belo Horizonte: Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, 1999.

SCHEIN, E.H. (1984). Coming to a new awarences of organizacional cuture. Sloan Management Review. N.º 25, (p.3-16).

SCHMITZ, E. F. Caminhos da universidade brasileira. Porto Alegre: Sagra, 1984.

SCOPINHO, R. A. Qualidade total, saúde e trabalho: uma análise em empresas sucroalcooleiras paulistas. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba: ANPAD, v.4, n.1, p.93-112, jan./abr. 2000.

SENNET, R. A corrosão do caráter. São Paulo: Record, 1999.

SIEVERS, B. Além do sucedâneo da motivação. In: CODA, R. e BERGAMINI, C. W. Psicodinâmica da vida organizacional. São Paulo: Atlas, 1997. p. 47-68.

SMOLKA, A. L. B., GÓES, M. C. R., & PINO, A. (1998). A constituição do sujeito: uma questão recorrente? In J. V. WERTSCH, P. DEL RÍO & A. ALVAREZ (Orgs.), Estudos socioculturais da mente (pp. 218238). Porto Alegre: Artmed.

SOUZA-LOBO, E. Modelo japonês e práticas brasileiras. In: HIRATA, H. S. (Org.). Sobre o modelo japonês: automatização, novas formas de organização e de relações de trabalho. São Paulo: EDUSP, 1993.

TELES, M. L. S. O que é psicologia. São Paulo: Brasiliense, 1999.

TREJOS, M. E. Calidad total, control y trabajo. Revista latino-americana de estudos do trabalho, São Paulo: Associação Latino-Americana de Sociologia do Trabalho, n. 6, p.167-178, 1997.

TROMPENAARS, F. (1993). Riding the waves of culture. Understanding cultural diversity in business. Tr. fr. L’entreprise multi culturelle. Château-Gontier, Maxima, 1994, 308 p. VON JESS, R. (1976). O perfil do pequeno e médio empresário industrial do município do Rio de Janeiro, IDEG/SEBRAE.

TSCHIEDEL, R. G. (1998). O grupo como espaço de construção da heterogeneidade à heterogênese. Dissertação de mestrado não-publicada, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

VASCONCELLOS, J. G. M. O coronelismo nas organizações: a gênese da gerência autoritária brasileira. In: DAVEL, E. P. B.; VASCONCELLOS, J. G. M. (Org.). “Recursos” humanos e subjetividade. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

VELLOSO, G. Espiritualidade nas empresas. Acadêmica – Revista Virtual de Administração e Negócios, [S.l.], maio-jun. 2000. Disponível em: < http://www.academica.cjb.net/ >. Acesso em: 18 jul. 2001.

VERGARA, S. C. e BRANCO, P. D. Empresa humanizada: a organização necessária e possível. Revista de administração de empresas, São Paulo: FGV, v. 41, n. 2, p. 20-30, abr.-jun. 2001.

VERGARA, S. C. Gestão de pessoas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

WATANABE, F. S. A grande família, o cachorro e o lingüição: formas de manifestação e de regulação de conflitos em empresas de transporte coletivo urbano por ônibus de Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado em Administração). Belo Horizonte: Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

WOOD JR., T.; CALDAS, M. P. Antropofagia Organizacional. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, FGV, v. 38, n. 04, p. 06-17,out./dez. 1998.

ZANELLA, A. V., & SOBRERA ABELLA, S. I. (2000). Grupo, cultura e constituição do sujeito: o movimento dos sujeitos no contexto grupal. Relatório final de pesquisa não-publicado. Programa PIBIC/ CNPq – BIP/ UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

ZANELLA, A. V., & PEREIRA, R. S. (2001). Constituir-se enquanto grupo: a ação de sujeitos na produção do coletivo. Estudos de Psicologia, 6, 105114.

ZANELLA, A. V., PRADO FILHO, K. & SOBRERA ABELLA, S. I. (no prelo). Significações acerca de poder em um grupo de formação de gerentes em serviço. Psicologia Argumento.

ZARIFIAN, P., Trabalho e Comunicação nas indústrias automatizadas. Tempo Social, São Paulo. FFLCH/USP, v. 03, n. 01-02, p. 119-130, 1991.

0 Responses to “Bibliografia sobre Cultura Organizacional e Cultura Brasileira”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




maio 2009
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Atualizações Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Del.icio.us

Flickr

Itacaré

Mais fotos

%d blogueiros gostam disto: